BIOTECNOLOGIA: Cultivo in vitro de vegetais
Prof. Lilia Willadino e Prof.Terezinha Camara

Introdução

            A cultura de tecidos vegetais tem várias aplicações práticas utilizadas amplamente na agricultura. Dentre elas podem ser destacadas a clonagem de vegetais, o melhoramento genético e a produção de mudas sadias.

A cultura de tecidos in vitro consiste, basicamente, em cultivar segmentos de plantas, em tubos de ensaio contendo meio de cultura adequado. A partir desses segmentos que podem ser gemas, fragmentos de folhas ou raízes,  meristemas entre outros, podem ser obtidas centenas a milhares de plantas idênticas. Essas plantas são, posteriormente, retiradas dos tubos de ensaio, aclimatadas, e levadas ao campo, onde se desenvolvem normalmente.

Clonagem

             Conceito, importância e aplicações

A clonagem vegetal refere-se à produção de indivíduos idênticos a partir de células ou segmentos de vegetais. A palavra clone deriva etmologicamente do grego klón, que significa ‘broto’, o que pressupõe, portanto, a existência de um indivíduo gerador e a ocorrência de reprodução assexuada.

            A técnica da clonagem in vitro de plantas é conhecida também como micropropagação. A micropropagação é portanto, uma forma rápida de multiplicar uma determinada planta, ou genótipo, que apresente características agronômicas desejáveis. Essas características podem ser, por exemplo, elevada produtividade, elevada qualidade de grãos ou frutos, tolerância a pragas ou doenças, entre outras.

Dentre as vantagens da micropropagação podem ser citadas a rapidez na produção de um grande número de mudas. A partir de uma planta de bananeira, por exemplo, podem ser obtidas através da micropropagação aproximadamente 100 mudas, no prazo de 8 meses. Em condições de campo são obtidas até 12 mudas em um período similar. Quanto às orquídeas, leva-se cerca de dois anos para a obtenção de uma boa muda utizando-se os métodos convencionais enquanto que, através do cultivo in vitro de meristemas, é possível a produção de centenas de mudas nesse mesmo período de tempo.

            A micropropagação tem demonstrado grande importância prática e potencial nas áreas agrícolas, florestal, na horticultura, floricultura, bem como na pesquisa básica. A multiplicação in vitro de plantas de importância econômica, em larga escala, tem resultado na instalação de verdadeiras ¨fábricas de plantas¨, as chamadas biofábricas comerciais, baseadas no princípio de linha de produção.